Minha percepção do XVIII Encontro Internacional GeneXus (Parte I)

Desde que se realizavam os eventos de GeneXus na Intendência Municipal de Montevideu (local da prefeitura da cidade) tenho participado em quase todos eles no Uruguai, e já participei de 3 no Brasil, e realmente continua valendo e muito a viagem até Montevideu.

Quase uma semana após de sua finalização, tempo para deixar algumas coisas em dia do trabalho, tivesse gostado dar um análise mais detalhado de cada palestra que participei, mas realmente como comentou Lamas na sua palestra o que menos temos é tempo.
Então para não apagar de minha mente algumas coisas que mais me chamaram a atenção para bem ou para mal do Evento, vou tentar registrar rápido neste post, o que expressa minha opinião, espero ninguém se ofenda, tal vez eu esperava outra coisa em alguma palestra em particular, ou o que esperava ver estava em outra palestra ao mesmo tempo, nesse caso seria problema da edição do programa.
Acredito que deveria fazer um post, por palestra, mas seria muito grande então dividi em 3 posts, 1 por dia.

Na abertura do evento, Gonda falou da Evolution 1 que permite gerar as aplicações win, com os mesmos geradores da versão 9, foi rápido e conciso para iniciar seguidamente a palestra de Carriquiri.
Para quem está acostumado a ver por segunda vez muitas das palestras no evento de Brasil, já que geralmente o material que se assiste no evento de GeneXus se repete o ano seguinte no Brasil, fiquei sorprendido, porque esta vez foi ao contrario, Carriquiri começou com as ppts que tinha passado em março em São Paulo, então não sei se tinha pessoal de Brasil assistindo que já tinham participado do Evento em São Paulo, para eles nada novo até esse momento.

Aplicações X
O título da palestra e por ser umas das que praticamente abriam o evento por estar na sala principal, o palestrante, a quem admiro muito por sua personalidade e por ter feito coisas muito produtivas com a ferramenta GeneXus, faziam dessa palestra esperar muito mais do que foi exibido. Tal vez seja porque eu já estou trabalhando com a X, e esperava algo novo, achei essa palestra um pouco passada de teoria.

20 25 Patterns e Café com Patterns
Acredito que fiz 80% das perguntas entre o 20-25 e o Café, algumas Enrique Almeida me dio umas dicas que já estou aplicando, mas outras foram anotadas e realmente gostaria que fossem implementadas o antes possível. Gostei bastante das respostas e a atitude da equipe de ARTech.

Patterns na X Mais produtivos que nunca
Os patterns de PuntoExe tem melhorias respeito aos patterns tradicionais liberados por GeneXus, não sei respeito aos K2B Patterns, ainda não estou muito convencido, se é bom mexer com o desenvolvimento de pattern diretamente, porque não é algo que seja possível desenvolver diretamente com GeneXus, mas quem assim trabalha e conta com alguém para desenvolver os patterns, tem bons resultados.

Café com KB Grandes
Bom inicio, é um tema para seguir conversando e estudando algumas coisas, eu trabalhei com KBs grandes até a versão 9 agora com a X pensava que estava com uma enorme, me tranquilizaram dizendo que o Banco de Dados vai resolver, Minha KB hoje tem um 1,5 GB num 20% do que provavelmente será no futuro, é um tema para continuar conversando, foi muito bom. Tem que seguir.

Key Note de Nicolás Jodal
Saímos muito tarde do Café com KB Grandes, e cheguei no meio da palestra, me parece que as palestras de Nicolás tenho que ver completas, realmente merece, então vou assistir o vídeo, e também a verei no evento de Brasil.

Jantar do evento
Muito bom, encontrar e compartilhar com amigos, sempre é um bom momento.
Algo que ninguém gosta de perder.

Fabricio De los Santos
Gerência de Projetos – Consultoria GeneXus –
ERP – Sistemas de Missão Crítica – Bancos de Dados.

Veja meus blogs em:
www.fabriciodelossantos.com

One Response to “Minha percepção do XVIII Encontro Internacional GeneXus (Parte I)”

  1. Me alegro que la charla y el intercambio de idea, te ayudara.
    Es lo mas importante de estos Encuentros.

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.